Utensílios Domésticos: Eletroportáteis

utensílios de cozinha (eletroportáteis)

Os utensílios domésticos são aqueles que quebram um galho na nossa vida em casa. Eu, particularmente, invisto em tudo o que pode me ajudar e, por isso, com o tempo, tenho aprendido cada vez mais sobre cada um deles e a necessidade (ou não) de tê-los.

E, tendo agora alguns anos de experiência no assunto, resolvi compartilhar com vocês um pouco do que sei. Na parte de Utensílios Domésticos, vou focar nos utensílios para a cozinha, que facilitam meus dias na hora de cozinhar. São os eletroportáteis (liquidificador, processador de alimentos, mixer, entre outros), panelas, facas e outros acessórios. Vou dar as informações que são interessantes de observar na hora de comprar conforme a sua necessidade, e vou falar dos modelos que já tive e que recomendo.

Nesta publicação, vou falar de Eletroportáteis. Para saber sobre outras coisas, acesse nossa página de Dicas de Cozinha.

Uma observação antes de começar: vocês vão notas que eu tenho coisas que são caras, porém, não comecei assim. Investi com o tempo e conforme a minha necessidade na cozinha aumentava (eu trabalho com isso, afinal de contas). Por isso, vou citar os modelos que tenho, mas também os que já tive (mais acessíveis) e que desempenham muito bem seu papel.

Eletroportáteis

Eletroportáteis são utensílios que aceleram tarefas na cozinha. São eles: liquidificador, processador de alimentos, mixer, batedeira, moedor de café e de especiarias, panela elétrica, centrífuga, grill, máquina de sorvete e muitas outras coisas. Eu não vou falar sobre todos porque não há necessidade. Vou focar aqui no que eu uso no dia a dia ou esporadicamente e que, de alguma forma, recomendo para outras pessoas.

Mas o que observar, de um modo geral?

Existem eletroportáteis de todos os tipos, marcas, materiais e preços. Desta forma, é necessário atentar para as características do produto antes de comprar e comparar com o que você espera dele (ou seja, como que você quer e vai utilizá-lo em casa). Analisamos assim seu custo-beneficio. Porém, de qualquer forma, sugiro que você invista em um produto que seja bom (e tenha boas avaliações) e que também seja durável (ninguém quer ficar trocando de eletroportáteis toda hora, né?).

Liquidificador

Item indispensável na cozinha, e, sem dúvida, meu preferido e o que mais uso. Serve para fazer sucos, vitaminas, bolos, sopas, caldos e por aí vai. Mas vocês já sabem de tudo isso. 🙂

O que observar:

  • Potência: o desempenho do liquidificador está diretamente relacionado com a sua potência. Da minha experiência, precisa ter 500W ou mais, mesmo que você use o aparelho majoritariamente para sucos. (Até porque, caso você tenha o aparelho em casa, certamente vai começar a usar em outras preparações também.) Outro ponto interessante é que o liquidificador tenha pelo menos 3 velocidades diferentes, além da função pulsar. Mas, atenção, não é o único dado para ser levado em conta (maior potência não significa melhor liquidificador).
  • Lâmina: procure comprar um liquidificador com lâmina de aço inox. Elas são mais resistentes, principalmente quando se trata de alimentos duros. Essa é a única recomendação que tenho. Não há necessidades da lâmina ser removível (o meu liquidificador, por exemplo, tem lâmina fixa – depois eu falo mais dele!). Ela também não precisa ser super afiada, caso tenha o liquidificador tenha uma boa potência e diferentes modos de operar.
  • Copo: os materiais mais comuns são plástico e vidro. Os de plástico são os mais comuns e, dependendo da espessura e do tipo de plástico usado, podem ser bastante fortes. Já os de vidro são os mais bonitos, mas não necessariamente melhores e, dependendo, podem não ser tão fáceis de manusear devido ao seu peso. Procure comentários nas avaliações do produto para saber mais.

Modelos que recomendo:

diferentes modelos de liquidificadores

Existem vários liquidificadores bons disponíveis no mercado, porém, eu só posso recomendar o que tenho ou tive e alguns que também tive a oportunidade de testar em casas de familiares e amigos e cursos de culinária, por exemplo. Vou detalhar o porquê de eu recomendá-los e, assim, você pode comparar com outro modelo que tiver interesse.

  • Liquidificador Britânia (1), modelo com 800W de potência e 4 velocidades. Ele foi meu primeiro liquidificador, comprado quando mudei de cidade para fazer faculdade, e fiquei com ele por aproximadamente 6 anos. Atendeu muito bem todas as minhas necessidades de estudante e de alguém que morava sozinha e fazia todas as refeições em casa. Recomendo um modelo assim (ou parecido) para quem quer algo bom e que não custe caro, e que não precise bater coisas muito pesadas ou para quem não usa o liquidificador por muito tempo seguido. E, ah, pra quem não se incomoda de não ter um modelo tão bonito, hahaha. (A título de curiosidade, meu antigo liquidificador ainda deve estar funcionando. Doei para um vizinho antigo quando senti a necessidade de comprar um modelo com maior potência e diferentes velocidades.)
  • Liquidificador Oster (2), modelo com 600W de potência e 3 velocidades. Em termos de funcionamento, ele é bem parecido com o modelo da Britânia citado acima. Só que ele é bem mais bonito e sua jarra é de vidro. Eu duvidava desse liquidificador até ter a oportunidade de testá-lo (confesso que sempre achei que era um modelo pra ter “de bonito”, pra enfeitar a casa, haha), mas o bichinho cumpre bem o seu papel. Predomina nas casas das minhas amigas (que usam com uma boa frequência) e todas elas são apaixonadas por ele.
  • Liquidificador KitchenAid (3), modelo clássico. Usei esse modelo incansavelmente durante meu intercâmbio – eu dividia acomodação com canadenses e esse era o liquidificador da casa. Além de lindo (e disponível em várias cores), é muito bom. Eles já tinham há anos e funcionava perfeitamente. Tem 5 velocidades e 650W de potência, além de funções diferentes como a de “triturar gelo” e a “sopa”, ideal para preparações quentes. Funciona de forma a controlar a velocidade de acordo com o que tem dentro do copo. Um pouco caro no Brasil, mas sem dúvidas um modelo que não precisa ser reposto com o tempo, pois vai durar por anos e anos.
  • Liquidificador Blendtec (4), modelo Classic Total Blender. É o meu liquidificador atual. Compramos ele há dois anos e, sinceramente, é o melhor liquidificador que já usei na vida. Ele é um dos modelos high speed (ou seja, de alta velocidade) mais famosos e vendidos da atualidade e pulveriza tudo (sério, tem até um canal no YouTube mostrando isso, haha). Tem 1600w de potência e 10 velocidades diferentes, além de funções próprias para massas, sucos, vitaminas, sorvetes, alimentos integrais e sopas (isso mesmo, ele faz sopas e caldos quentes sem precisar de um fogão!). Infelizmente, é caro e não está disponível ainda no Brasil (até encontrei no Mercado Livre, porém os preços são absurdos).
    • Pra quem eu recomendo? Para quem usa o liquidificador incansavelmente e precise de um aparelho realmente muito bom. Para quem trabalha com cozinha. Para quem simplesmente quer ter algo que nunca vai dar dor de cabeça (ele tem garantia de 8 anos).
    • Modelo semelhante: liquidificadores da marca Vitamix (5). Usei muito durante um curso de culinária e, assim como com o Blendtec, todo mundo que tem ama. Esse é mais fácil de encontrar no Brasil. No link acima você o encontra com entrega pela própria Amazon do Brasil.

Bônus: caso você prefira um liquidificador pequeno e com bom custo benefício, recomendo o modelo Sport Blender da Electrolux. Eu tenho ele e uso bastante para preparações menores, como esse Crème Fraîche Vegano, e ele aguenta bem o tranco. Também é ótimo para fazer sucos, vitaminas e smoothies – inclusive, na realidade, é para isso que o modelo foi desenvolvido (ele vem com uma tampa para colocar no copo para que você possa carregar para diversos lugares e beber fora de casa mesmo).

Agora, pra descontrair, minhas receitas preferidas usando o liquidificador: Maionese de Castanha de Caju, Panqueca Vegana de Lentilha Vermelha, Molho Cremoso de Grão de Bico. e, claro, o famoso Leite Condensado Vegano feito em 3 minutos.

Processador de Alimentos

O processador de alimentos é outro aparelho indispensável aqui em casa. Acho que todo vegetariano e vegano deveria ter, assim como quem quer manter uma alimentação saudável, porque muitos preparos são facilitados com o seu uso. Ele corta, pica, mói, rala, mistura, faz purê, hambúrgueres, pastas de oleaginosas e sementes e, se quiser, até bolo. Depois das recomendações eu indico minhas preparações preferidas.

O que observar:

  • Potência: 200W ou mais. Observe que parece pouco, né? Mas, no caso do processador, maior potência não significa melhor produto. Características das lâminas e do modo de operação do aparelho também influenciam no seu desempenho geral.
  • Lâmina: preferencialmente de aço inox.

Modelos que recomendo:

diferentes modelos de processador de alimentos

Assim como no caso dos liquidificadores, existem vários modelos de processadores disponíveis no mercado. Eu só tive dois modelos até agora e são os que recomendo para quem me pergunta, de acordo com a necessidade. Vou detalhar as diferenças, calma aí. Mas um detalhe antes: eu sei que existem vários modelos de miniprocessadores, mas, sinceramente, não gosto deles. Acho pequenos e, em sua maioria, fracos (os mais fortes tendem a custar o mesmo preço de um processador de tamanho maior com mesma força). Por isso, não vou listar nenhum deles aqui. Vamos para os modelos que recomendo:

  • Multiprocessador Philips Walita (1), modelo com 600W de potência, 2 velocidades e função pulsar. Comprei ele quando comecei a me aventurar na cozinha e sempre gostei muito dele. Cumpria muito bem a sua função. É realmente um modelo que recomendo para todos, principalmente considerando seu custo-benefício. Você conseguirá fazer todas as receitas de dia a dia com ele, além de algumas mais elaboradas. Minha mãe tem um bem parecido com esse, só que da marca Philco (2). Já usei ele inúmeras vezes e funciona super bem também. Um ponto legal é que acompanha um copo de liquidificador, então, caso você não seja uma pessoa que use o liquidificador com muita frequência, pode ser um bônus interessante.
  • Multiprocessador KitchenAid (3), meu processador atual e preferido da vida. Ele é caro, sim, mas compensa demais se você tiver gosto por cozinha e/ou costuma usar bastante o processador. Recomendo de olhos fechados e acho que nunca vou trocar por nenhum outro, hehe. A diferença para o modelo listado anteriormente está na maneira com a qual suas lâminas trabalham (pra ter uma ideia, o processador possui ‘apenas’ 240W de potência, mostrando que esse não é o único aspecto a se considerar na hora de comprar o produto). Ele é muito rápido, mesmo. Faz uma pasta de amendoim caseira em aproximadamente 5 minutos, por exemplo. Então, para quem precisa agilizar as coisas na cozinha, é o modelo ideal. É um investimento pra vida. Se tiver condições financeira, nem pense duas vezes. E, bom, há também a opção de comprar um modelo parecido da KitchenAid (4) também, só que um pouco maior e com um copo menor adicional. Vale dar uma olhada!

Minhas receitas preferidas usando o processador: Almôndegas Veganas de Lentilha e Sarraceno, Purê de Grão de Bico, qualquer tipo de Homus (como esse Homus de Pimentão Vermelho Assado) e as mais variadas pastas de oleaginosas e sementes (Tahine e Pasta de Amêndoas, por exemplo).

Mixer de Mão

Dizem que o mixer de mão é um bom substituto para processadores, quando se trata de misturas menores, mais rápidas e práticas. Ele, em si, é um ótimo equipamento para fazer caldos e sopas direto na panela, bater cremes em quantidades menores, triturar castanhas, fazer sucos e vitaminas e por aí vai. Eu confesso pra vocês que não uso tanto o meu, muito porque normalmente preparo quantidades maiores de alimentos para deixar pronto no congelador e, para isso, não é a melhor escolha. Além disso, me acostumei a usar mais tanto o liquidificador quanto o processador ao longo do tempo. Porém, o mixer de mão quebra o galho em muitas situações e é a escolha inicial de muita gente.

Uma desvantagem geral de todo mixer de mão: não tem como apertar um botão e deixar ele rodar sozinho. Você vai ter que ficar segurando. Por isso, é um aparelho melhor para preparações rápidas.

O que observar:

  • Potência: 170W ou mais (vai depender do conjunto de lâminas também).
  • Lâmina: preferencialmente de aço inox.
  • Material: tanto o material do mixer quanto o material de seus acessórios precisam ser de boa qualidade.

Modelos que recomendo:

diferentes modelos de mixer de mão

Nesta parte em específico, eu pedi ajuda para uma amiga que usa muito o mixer dela (inclusive profissionalmente). Então vou recomendar algo que não usei, mas que confio. E vou recomendar o meu também, claro, hehe.

  • Mixer de Mão KitchenAid (1). O modelo que eu tenho não é exatamente esse (comprei o meu no exterior), mas é praticamente igual. Tem 170W de potência, o que parece pouco, mas suas lâminas em aço inox são bem afiadas e dão conta do recado. Ele vem com uma série de acessórios acompanhando (inclusive um fouet, um copo/jarra e um miniprocessador), o que pode ser interessante como kit caso você não veja necessidade em ter um liquidificador e/ou um processador de alimentos. É bem durável também (uma característica da marca), então vai ser bem difícil você perder ele.
  • Mixer de Mão Philco (2). Esse mixer tem incríveis 700W de potência, lâminas em inox e, apesar de eu nunca ter usado, confio na opinião da minha amiga que tem um modelo desses e usa todos os dias, inclusive profissionalmente. A desvantagem é a mesma de todo mixer de mão: tem que ficar segurando para bater e não dá para exigir muito dele (o uso contínuo faz com que ele aqueça). Mas o produto realmente tem um ótimo custo benefício.

Moedor de Grãos e Temperos

O Moedor de Grãos e Temperos foi um item na minha cozinha que demorei para comprar, já que ficava pensando na real necessidade de ter um em casa. Pois bem, um dia decidi comprar esse modelo elétrico da KitchenAid depois de muitas pesquisas e adorei. Hoje eu recomendo muito ele. Ele é bem durável, possui 3 copos em metal e é muito prático de usar – basta ligar na tomada e pressionar a tampa. As lâminas são ótimas, logo fica tudo prontinho.

E pra que usamos esse aparelho? Aqui em casa, somos fãs de temperos. Eu adoro comprar eles em grãos pela versatilidade, então ter um moedor me ajuda muito, sem falar que fico mais tranquila com relação à qualidade dos mesmos (a gente nunca sabe o que podem misturar nos temperos em pó, não é mesmo?!). Entretanto, a maioria das pessoas usa esse aparelho pra moer grãos de café mesmo. Ele é maravilhoso pra isso também.

Mas é claro que eu ainda uso de uma maneira diferente: para triturar sementes de linhaça. Na culinária vegana e sem glúten, usamos muita farinha de linhaça em receitas de bolos (como nesse Bolo de Banana Vegano com Gotas de Chocolate) e bolinhos (como essas Almôndegas de Lentilha). Ela substitui muito bem os ovos nesse caso. Acontece que, por conter gorduras, essa farinha logo oxida. Por isso, é melhor comprar as sementes e, quando precisar usar a farinha, triturar na hora em casa (o que sobrar você deve armazenar na geladeira). Você pode usar um liquidificador pra isso, mas eu adoro usar esse Moedor de Grãos e Temperos porque ele tem um copinho bem pequeno e, assim, posso triturar uma quantidade bem pequena de sementes.

Espero que este post tenha sido útil para você.

Não esqueça de compartilhar este post com seus amigos ou com alguém que possa se interessar pelo conteúdo também. Se tiver alguma sugestão, dúvida ou queira dar sua opinião, mande uma mensagem. 🙂

 

Quer ir além? Acompanhe as atualizações na página Dicas de Cozinha.

dicas de cozinha sobre utensílios domésticos

Nota: Este post contém links afiliados. Se você comprar alguma coisa usando algum deles, nós receberemos uma pequena comissão da venda. Isso ajuda a viabilizar o nosso trabalho aqui e manter o blog ativo.

2 Comments

  1. Muito obrigado Bruna! Me ajudou muito (como sempre) ????????????

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*